Destino

As vezes o caminho que tomamos pra fugir do nosso destino é o que nos leva até ele.

– Kung Fu Panda

Anúncios

As pessoas chinesas tem sabido dar nós com cordas desde que começaram a amarrar peles de animais em seus corpos para se protegerem do frio por milhares de anos. Com o avanço da civilização, as pessoas chinesas usaram laços para mais do que firmar e embrulhar. Os nós também eram usados para registrar eventos, e alguns laços tinham funções puramente ornamentais. Em 1980, alguns conhecedores dedicados colecionaram e arranjaram os laços decorativos contudo práticos que foram utilizados por séculos na China. Depois de estudar as estruturas destes laços, os devotos decidiram em criar novas variações e aumentar o valor decorativo destes laços. Estes laços perfeitamente simétricos que apareceram em muitas formas são tão profundas quanto as grandes heranças culturais das pessoas chinesas. Os laços foram então chamados coletivamente de Macrame chinês.

“Um fênix faz sua aparência”– cópia de um padrão de fênix de uma pintura da Dinastia Han.

Nó ChinêsO Macrame Chinês é baseado em uma dúzia de laços básicos que são nomeados de acordo com suas formas distintivas, usos ou origens. O Laço de Duas Moedas, por exemplo, é assim chamado porque é moldado como duas moedas sobrepostas do tipo uma vez usada na China antiga. O Laço de Botão pode funcionar de fato como um botão, e o Laço de Suástica Invertido é derivado do símbolo budista que era comumente visto nas fitas penduradas abaixo do cintura da Deusa Budista da Clemência. Semelhantemente, a forma básica do Laço Pan-ch’ang Laço, que é de fato uma série de laços contínuos, simboliza a concepção budista de continuidade e a origem de todas as coisas. Realmente, o Laço Pan-ch’ang é o laço primário do Macrame Chinês em qual um número infinito de variações podem ser feitas.

O Macrame Chinês, como a caligrafia chinesa, pintura, escultura, porcelana e até mesmo a culinária chinesa, é facilmente reconhecida para Sinófilos. Isto é porque as estruturas básicas do Macrame Chinês diferem em muito do Macrame Ocidental ou Japonês em forma e função.

Nó ChinêsOs laços do Macrame Chinês são bastante firmes. Eles não se desfazem facilmente quando usados para amarrar ou embrulha algo, assim, são muito práticos. Além disso, a complicada estrutura do Macrame Chinês permite todos os tipos de variações e aumenta seu valor decorativo. Quase todos os laços básicos do Macrame Chinês são simétricos em forma. Enquanto a demanda para simetria determinou certas limitações técnicas no desenho e criação de novos padrões e temas, a simetria é consistente com padrões ornamentais e honrados esteticamente na China. Visualmente, os desenhos simétricos são mais facilmente aceitos e apreciados pelo povo chinês.

Com exceção do Laço de Duas Moedas, o Macrame Chinês é tridimensional em sua estrutura. Consiste de duas superfícies que são amarradas para deixar um centro oco. Tal estrutura empresta rigidez ao trabalho como um todo e mantém sua forma quando pendurada na parede. O centro oco permite a adição de pedras preciosas.

Nó ChinêsA arte do Macrame Chinês é um processo de três passos de amarrar laços, apertá-los e adicionar toques finais. Os métodos de amarrar os laços são fixos, mas o aperto pode determinar o grau de tensão em um laço, a duração de qualquer laçada (chamada de ” orelhas ” em chinês) e a suavidade e ordem de linhas. Assim, o quanto um pedaço de Macrame Chinês foi apertado pode demonstrar a habilidade e o mérito artístico de um artista de Macrame. Terminar um laço significa embutir pérolas ou outras pedras preciosas, engomando o laço em certos padrões ou somando qualquer outro toque final.

Nó ChinêsDesde os tempos antigos, o Macrame Chinês tem decorado tanto as instalações de corredores de palácios como os utensílios diários das casas da zona rural. O Macrame Chinês também apareceu em pinturas, esculturas e outras peças de arte popular. Por exemplo, o Macrame Chinês foi usado para decorar as cadeiras usadas pelo imperador e imperatriz, os cantos das sedans, as extremidades dos guarda-sóis, as fitas presas nos cós dos vestidos das senhoras, como também todos os tipos de selos, espelhos, bolsas, sachês, estojos de óculos, leques e rosários budistas.

Tradicionais objetos feitos a mão estão florescendo sob a estabilidade e prosperidade de Taiwan moderno. Com o apoio do governo e de cidadãos dedicados na República da China, a popularidade universal do Macrame Chinês ultrapassou a das eras antigas. As infinitas variações e elegantes padrões de Macrame Chinês, assim como a multidão de diferentes materiais que podem ser usados (algodão, linho, seda, fibra sintética, couro e metais preciosos como ouro e prata, para nomear alguns) ampliou as funções e aumentou as aplicações do Macrame Chinês. Jóias, roupas, embrulhos para presentes e mobília podem ser destacadas com criações de Macrame chinês sem igual.

Largos nós de paredes feitos de Macrame Chinês possuem o mesmo valor decorativo como a das melhores pinturas ou fotografias e são perfeitamente usados para decorar uma sala de estar ou estudo.

Nó ChinêsO Macrame Chinês, com sua elegância clássica e constantes variações é tanto prático como ornamental e reflete completamente a graça e a profundidade da cultura chinesa.

Semelhança da Deusa Fei-tien – modelada após uma boa pintura nas Cavernas de Tunhuang.

Vestimenta

VestimentaUm ruído e estrondo de tambores e gongos soam em um teatro da Ópera Chinesa em Taipei enquanto um jovem guerreiro aparece no palco com tradicional vestimenta chinesa. De sua cabeça ascendem duas longas plumagens, traçando no ar cada movimento e gesto feito por ele. Alguns podem pensar que estas plumagens são simplesmente ornamentais, mas de fato elas tem origem nas vestimentas de guerra do período Warring States (475-221 A.C.). Duas penas de um ho (um tipo de faisão bom de luta) foi inserido no elmo de guerreiros deste período para simbolizar um espírito corajoso e bélico, como do ho. Uma surpreendente característica da tradicional vestimenta chinesa é que não é somente uma expressão externa de elegância, mas também um simbolismo interno. Cada e toda peça de roupa tradicional comunica uma vitalidade por si própria. Esta combinação de forma externa com simbolismo interno é claramente exemplificada no par de penas do faisão lutador usadas nos elmos.

Objetos encontrados em restos arqueológicos da cultura chinesa Shantingtung, que floresceram por mais de 18.000 anos, como agulhas de costura feita de ossos e contas e conchas de pedra com orifícios, atestam à existência do conceito de ornamentação e a arte de costura naquela época. Variedade e sistema em vestimenta foram adotados em meados da era do Imperador Amarelo e dos Imperadores Yao e Shun (aproximadamente 4,500 anos atrás). Restos de seda tecida e artigos de linho e figuras cerâmicas antigas demonstram a sofisticação e o refinamento das vestimentas mais adiante na Dinastia Shang (16º a 11º século A.C.).

Os três tipos principais da tradicional vestimenta chinesa são o pien-fu, o ch’ang-p’ao ou um longo robe e o shen-i. Típico destes três tipos de roupas, além de seus cortes largos e mangas volumosas, era um padrão que utilizava principalmente linhas retas e um ajuste solto formando dobras naturais, independente se o artigo de vestuário era pendurado diretamente ou era usado com uma faixa à cintura. Todos os tipos de artigos do tradicional vestuário chinês, túnicas e calças compridas ou túnicas e saias, utilizavam um número mínimo de pontos para a quantia de pano usada. E por causa de seu padrão e estrutura relativamente plana, extremidades bordadas, faixas decoradas, pano ou sedas drapejados, decorações nos ombros e faixas eram sempre adicionadas como ornamentação. Estas faixas decorativas, bordas aplicadas e padrões ricamente bordados ricamente variados vieram a ser uma das características sem igual da tradicional vestimenta chinesa.

Cores mais escuras eram favorecidas sobre as mais claras nas tradicionais vestes chinesas, assim a cor principal da roupa cerimonial tendia a ser escura, acentuada com bordado elaborado ou padrões de tapeçaria feitos em cores luminosas. As cores claras eram mais freqüentemente usadas pelas pessoas comuns em roupas para todos os dias e para a casa. Os chineses associam certas cores com estações específicas, por exemplo, verde representa primavera, vermelho o verão, branco para o outono e preto para o inverno. Pode-se dizer que os chineses têm um sistema completamente desenvolvido de emparelhar, coordenar e contrastar cores e sombras de luz e escuridão em seu vestuário.

Hoje em dia, desenhistas de moda na República da China em Taiwan estão descobrindo novas maneiras de combinar livremente estéticas de moda moderna e tendências com tradicionais símbolos chineses. A grande riqueza da fonte de material resultou em uma pletora de padrões de olhos de gato para vestimentas de crianças e pessoas jovens, inclusive deidades guardiãs, leões, os oito trigramas e máscaras das personagens da Ópera Chinesa. Outra antiga fonte de padrões impressos, tecidos, bordados e aplicados em roupas é o bronze chinês. Alguns destes padrões distintivos e incomuns incluem dragões, phoenixes, nuvens e raios. Motivos da tradicional pintura chinesa, fortes ou refinados, freqüentemente encontravam seu modo em padrões de tecido ou impressos, criando um olhar bonito e notável.


Um alto nível de sofisticação na vestimenta era aparente nos figurinos de barro da Dinastia Tang.

O tradicional Macrame chinês tem largas aplicações na moda; pode ser usado para ornamentar bordas, ombros, justilhos, bolsos, costuras e fendas, como também em cintos, enfeites para o cabelo e colares. Alguns exemplos prósperos de combinações de elementos modernos e da moda tradicional são a moderna tiara nupcial, baseado em um padrão da Dinastia Sung, originalmente usada em cima de um penteado encaracolado; a faixa bordada do estilo da Província Hunan é feita nas tradicionais cores chinesas de puro vermelho, azul e verde; e tradicionais sachês e pingentes.

O ch’i-p’ao é um padrão Manchu tradicional ainda popular hoje.

Na moderna sociedade de Taiwan, os homens são vistos freqüentemente em ocasiões sociais usando o tradicional e refinado vestido longo chinês; as mulheres usam freqüentemente o ch’i-p’ao, uma forma modificada da moda da tradicional da Dinastia Ch’ing, em ocasiões formais. Há infinitas variações de altura, comprimento, largura e ornamentação no colarinho, mangas, comprimento da saia e corte básico desta elegante e feminina moda Oriental. Destes exemplos, pode ser visto como a tradicional vestimenta chinesa é a primavera da moda moderna.

No museu de cera da Cultura Chinesa e Centro de Filmes em Taipei, e no Museu de Fantasias e Enfeites da Casa Shih Chien da Faculdade de Economia, você pode ver coleções cuidadosamente pesquisadas das tradicionais vestimentas de tradicionais homens e mulheres chineses de vários anos. Uma visita para uma destas coleções é agradável e educativa.

As pessoas de Taiwan não só incorporam a tradicional vestimenta chinesa na vida moderna; eles desenvolveram as antigas técnicas chinesas de fazer, torcer e tecer seda e criaram modernas indústrias têxteis ao seu redor. Por estas indústrias, os residentes de ROC podem desfrutar da bela moda com características tradicionais e o moderno chique.

Jade

A palavra ” jade ” transmite uma sensação de mistério. Em chinês, ” jade”(yu) se refere a uma pedra bonita e fina com uma cor quente e brilhante, que é hábil e delicadamente esculpida. Na cultura chinesa, o jade simboliza nobreza, perfeição, constância e imortalidade. Durante milênios, o jade foi uma parte íntima das vidas dos chineses de todos os níveis e classes. É vista como a mais valiosa de todas as pedras preciosas.

O Jade é encontrado em montanhas e leitos fluviais e os chineses consideram que o jade é ” a essência do céu e da terra “. Quando polido e esculpido em vários artigos, o jade é atribuído com certas características culturais. Na antiga cosmologia chinesa, o firmamento era considerado redondo e a terra quadrada. Assim, um ornamento cerimonial de jade redondo com um orifício no centro, chamado de pi, foi esculpido para honrar os deuses do céu, e um ornamento longo de jade oco com lados retangulares, chamado ts’ung, foi feito para honrar os espíritos da terra. De acordo com a antiga lenda chinesa, o fênix e o dragão são deidades animais que eram consideradas a fonte de vida das famílias dos clãs. Por esta razão, o jade era freqüentemente usado como um material para esculpir fênix e dragões usados como ornamentos. Estes ornamentos simbolizaram o porte nobre de um cavalheiro e são a origem do ditado chinês: A moralidade de um cavalheiro é como jade “.

Jade ChinêsArtigos sacrificiais e auspiciosos eram usados em antigos ritos institucionais e são geralmente chamados de ” utensílios de rituais”. Os utensílios sacrificiais eram usados em oferendas para os ancestrais ou em pagamentos de respeito cerimonial pagando para os deuses do céu e da terra. Sabemos dos resquícios arqueológicos que as pessoas da Era Neolítica esculpiram um grande número de pi redondo e ts’ung retangular para uso como utensílios sacrificiais. O conceito de um céu redondo e uma terra retangular, que ficou profundamente inveterado na mente chinesa, pode ter emergido pela primeira vez naquele tempo. ” Utensílios auspiciosos” foram carregados ou usados pela nobreza como símbolos de seus escritórios ou autoridade. Por exemplo, machados e pás de jade evoluíram com o tempo para o kuei, tabletes alongados e pontudos de jade. Quando o ” filho do céu ” ou imperador despachava um duque, príncipe ou outro funcionário para um serviço externo, ele lhe dava um ” tablete de autoridade ” para proclamar a tarefa nomeada a ele pelo ” filho do céu “. A função tradicional dos utensílios de jade de ritual começou a minguar gradualmente após a Dinastia Han (206 A.C. para 220 D.C.), quando somente um número pequeno de utensílios de jade sacrificiais eram usados em ritos cerimoniais conduzidos pelo imperador.

Enterrar objetos de jade com o morto era uma prática comum na China antiga.

Jade Chinês“O jade de uso vivente como um símbolo de sua integridade moral, e jade acompanha o defunto para confortar suas almas.” Mais de quatro mil anos atrás na China, grandes quantidades de utensílios de jade eram freqüentemente colocadas em cima ou ao redor de um caixão, particularmente o pi representando o céu redondo e o ts’ung representando a terra retangular. Eles eram um vínculo simbólico de comunicação entre o céu e a terra, de troca entre o homem e o mundo espiritual. Com o tempo, artigos de jade foram esculpidos especificamente para enterrar com o morto, baseado na idéia de que as qualidades do jade de nobreza, perfeição, constância e imortalidade preveniriam o corpo físico da decadência. Exemplos de objetos de jade para uso em enterros são uma cigarra de jade fina e leve, que era colocada na boca do morto e um bracelete de jade redondo e espesso, colocado em uma das mãos do defunto. Uma cigarra vai debaixo do solo e é ‘renascida’ após penetrar em sua pele; e um porco que desse cria rápida, para riqueza crescente. Assim, motivos naturais são usados para expressar os desejos humanos de reencarnação ou riqueza aumentada para a família da pessoa.

Jade ChinêsO desenvolvimento dos utensílios de jade após as Dinastias Sung (960-1279 D.C.) e Yuan (1271-1368 D.C.) tenderam para pura habilidade e arte. Com exceção de um pequeno número de utensílios de jade usados pelo imperador em rituais de sacrifício, a escultura de grandes quantidades de utensílios de jade nesta é atribuída principalmente à sua atração estética e sofisticada. A maioria dos artigos de jade esculpidos eram ornamentais, inclusive peças para exibição e artigos para uso pessoal. Mas peças de jade ornamentais para exibição também tinham seus usos. Tais artigos incluíam alças para escovas, escovas de lavagem, xícaras de água, descansos para braço e uma caixas de pastas de tinta vermelha (para gravações de nomes). Bonitos e primorosos artesanatos dotaram cada peça com riqueza, lustre e delicadeza, refletindo a alta qualidade de vida aspirada pelo povo chinês. Artigos de jade para uso pessoal incluíam pentes, grampos, pulseiras e pendentes para a cintura. Ornamentos de jade também eram fixos em varas ambulantes, faixas de cintura, artigos de vestuário e bonés.

Jade ChinêsOrnamentos de jade permanecem populares até o presente. Hoje em dia, na República de China, comprar, usar e dar artigos de jade como presente ainda é muito comum. O jade é visto como um presente ideal para casais que assumem um compromisso mútuo e para os filhos da pessoa quando eles se casam. Mesmo hoje em dia, os chineses retém a idéia que além de estarem bonitos, o jade pode proteger do infortúnio e trazer boa sorte.

O jade é uma essência produzida pelas forças naturais de rios e montanhas durante eras. Porém, se não for habilmente cortado e polido, não há como a riqueza e o lustre que as pessoas tanto prezam serem expressadas. Os chineses possuem um ditado que diz. ” Se o jade não for cortado corretamente, não pode ser transformado em um utensílio útil.” Cortar é um passo importante no processo de produção de artigos de jade.

Jade ChinêsA fabricação de artigos de jade chineses era altamente desenvolvido na Dinastia Shang (16º a 11º século A.C). Os chineses deste período tinham a tecnologia para produzir artigos de jade de todo tipo, molde e tamanho imaginável. Ao final da Dinastia Chou (11º século para 256 A.C.) e o começo da Dinastia Han, os jades chineses alcançaram um segundo pico em seu desenvolvimento. Artesãos tiveram à sua disposição ferramentas das mais avançadas e eficientes métodos de polir jade e criar obra primas insuperáveis. Uma técnica envolvia esculpir um artigo com vários componentes ligados de um único pedaço de jade, demonstrando a alta sofisticação do domínio do artesão. Assim, os artesãos de jade podíam acomodar praticamente qualquer e toda exigência de cliente em seus trabalhos.

Atualmente na República da China, a arte de esculpir jade alcançou outro ápice em seu desenvolvimento. Formas tradicionais e estilos modernos são combinados para desenvolver novas criações; a moderna tecnologia elevou em muito a qualidade do trabalho do artesão. O jade já não é mais de uso exclusivo de nobres e imperadores; praticamente todos no ROC tem seus meios para possuir e usar jade. Além de manter seu papel histórico, a arte do jade foi desenvolvida com criatividade e habilidade e tem se tornado uma parte indispensável da vida cotidiana. O jade mantêm-se um símbolo eterno da magnífica civilização da China.

Imortalidade

Você não é um Imortal?
Se alguém jamais se apega às pessoas e aos desejos, seu coração jamais será quebrado.
Mas então… ele viveu verdadeiramente?
Preferiria morrer como um mortal que se importou com alguém, a ser um homem livre de sua própria morte.
(…)
Dizem que o Mestre e o aluno… caminham lado a lado.
Compartilham seu destino até que os caminhos se separam.
Nunca vou te esquecer.
Acho que esse é o verdadeiro significado de ser Imortal.

– The Forbidden Kingdom

Kung fu – O Reino Perdido

Kung Fu: Trabalho duro o tempo todo para adquirir habilidade.
Um pintor pode ter Kung Fu.
Ou o açougueiro, que corta a carne todo dia, com tanta habilidade que sua faca nunca toca os ossos.
Aprenda a forma, mas busque o que não tem forma.
Ouça o inaudível.
Aprenda tudo e esqueça tudo.
Aprenda o caminho, e então encontre o seu próprio.
O músico pode ter Kung Fu.
Ou o poeta, que pinta imagens com palavras e faz os Imperadores chorarem.
Isso também é Kung Fu.
Mas não dê nome a ele, meu amigo, porque ele é como a água.
Nada é mais suave do que a água… mas mesmo assim, ela pode dominar uma rocha.
Ela não luta… ela flui ao redor do seu oponente.
Sem forma, sem nome.
O verdadeiro Mestre reside em seu interior.
Apenas você pode libertá-lo.

– The Forbidden Kingdom

KOJIRO (HIROSHI INAGAKI)

Estrelado por: Tatsuya Nakadai

Encontrei um único colecionador que tem uma cópia deste filme. Não há qualquer informação sobre lançamento nem aqui nem no exterior.

Hiroshi Inagaki é um diretor bem conhecido no Ocidente. No Brasil, foi lançado o primeiro filme da trilogia Samurai, Musashi Miyamoto, o guerreiro dominante, cuja história corresponde a primeira parte do livro Musashi, denominado Terra (a trilogia completa só está disponível nos EUA). Além desse filme, foi lançado O homem do riquixá (1958), para mim, uma das melhores atuações de Toshiro Mifune no cinema. Aliás, ele também trabalhou muito com Inagaki, inclusive em filmes como Chushingura e Samurai Banners, estes disponíveis nos EUA.

Kojiro conta a história do famoso Sasaki Kojiro, um destemido samurai que quer lutar, a todo custo, com Miyamoto Musashi, o mais famoso ronin de todos os tempos. Tatsuya Nakadai interpreta Musashi neste filme.

Para quem não sabe, Nakadai foi um dos poucos atores a trabalharem com grandes diretores no final da década de 50, durante as décadas de 60 e 70. Foi descoberto por Masaki Kobayashi, enquanto trabalhava em uma loja. Com este diretor, trabalhou na trilogia Guerra e humanidade (seu primeiro trabalho), Harakiri, Rebelião, Kwaidan e Aqui termina o inferno. Também trabalhou com Kurosawa, fazendo muitos papéis de homem mau (quase sempre era rival de Toshiro Mifune), como Yojimbo e Sanjuro. Com este diretor trabalhou ainda em Céu e inferno (1963). Kagemusha e Ran são outros trabalhos com Kurosawa nos anos 80. Em 1999, fez uma participação especial no filme Depois da Chuva, de Takashi Koizumi e roteiro de Kurosawa. Trabalhou ainda com Mikio Naruse (When a woman ascends the stairs), Kon Ichikawa (A chave, Eu sou um gato), Hiroshi Teshigahara (A face de um estranho).

Fonte: Google

Sasaki Kojiro

Sasaki Kojirō (???1585 — 13 de Abril de 1612) foi um dos mais famosos e poderosos espadachins de sua época. O jovem guerreiro incorporava força e agilidade quase insuperáveis; Miyamoto Musashi, considerado o seu maior rival, superou suas habilidades usando um método que não se baseava nas habilidades com espada. Musashi, demorou mais de 2 horas para chegar na hora marcada para o duelo, cansando e estressando o seu adversário, quando chegou ainda estava todo desarrumado para confundi-lo, assim correu para ele em um lance, Kojiro sacou a espada e cortou-lhe a fita da cabeça, Musashi conseguiu se esquivar por pouco e acertou-lhe com uma espada de madeira no crânio, e assim Kojirō perdeu a vida.

Kojirō usava a sua famosa espada, a varal (sua espada de estimação) que era bastante larga e que ele carregava às costas, para seu adestramento no caminho da espada. Ele desenvolveu um estilo próprio, o estilo Tsubame Gaeshi (o estilo em que “cortava andorinhas em pleno vôo”).