O SEXTO LIVRO

O editor fica obcecado pelos livros e passa a ignorar Jerome, o qual tenta uma reconciliação com Nagiko. Ela não o recebe, e ele monta um falso suicídio para ganhar sua
atenção – sob sugestão do invejoso Hoki – emulando Romeu e Julieta. Mas a mistura de
pílulas e tinta gera um veneno que o mata, para o desespero dela. Nagiko, então, escreve
em seu corpo morto o Sexto Livro – O LIVRO DO AMANTE, que depois se tornará o pillowbook,
que ficará guardado dentro do travesseiro de madeira do editor. Posteriormente,
excertos desse livro serão também tatuados no corpo de Nagiko. Depois desse evento
trágico ela queima todas suas posses, no segundo incêndio de sua vida, e retorna a Kyoto.

O LIVRO DO AMANTE
(escrito em Jerome, transformado no livro de cabeceira)

Pescoço

Este é um livro e um corpo
Que é tão tépido ao toque
Meu toque.

Peito

Eu pressionei este livro em meus olhos
Na minha testa, nas minhas bochechas,
Eu mantive este livro aberto sobre minha barriga.
Eu me sentei sorrindo sobre este livro
Até que minha carne se amalgamou nas suas capas.
Eu me sentei gargalhando neste livro até que umedeci
Suas capas com meu corpo.
Eu envolvi este livro em minhas pernas.
Eu me ajoelhei sobre este livro até meus joelhos sangrarem.

Barriga e Coxas

Este livro e eu nos tornamos indivisíveis
Eu coloquei meus pés nas últimas páginas deste livro,
Confiante em estar tão mais alto no mundo
Como eu nunca estive antes.
Possa eu manter este livro para sempre
Possa este livro e este corpo sobreviverem ao meu amor.
Possa este corpo e este livro me amarem tanto quanto
Eu amo sua extensão, sua gramatura, sua solidez, seu texto
Sua pele, suas letras, sua pontuação, suas quietas
E suas ruidosas páginas.
Suas delícias sôfregas.
Livro, corpo – eu amo você.

Costas

Ele respira gentilmente na sua primeira página.
Ele respira mais fundo conforme as páginas viram.
Quando o ritmo de leitura é obtido
As palavras ganham uma velocidade urrada
E as páginas correm.
Eu corri com essas páginas.
Ao seu final há um suspiro e o livro
Fecha-se em contentamento.
O leitor, de bom grado, começa de novo.

Nádegas

Corpo e livro estão abertos.
Face e página.
Corpo e página.
Sangue e tinta.
Ponta dos dedos, debrum do rebordo.
A superfície do limite de cada página é tão macia
As marcas d’água são como veias fluidas.
As páginas são tão harmoniosas na sua proporção
Que desarmonia em seu conteúdo é impossível.

Mas Hoki alerta o editor e ele exuma o corpo. Retirando sua pele o transforma num
livro de cabeceira para sua contemplação sensual. Sabendo disso, e estando grávida da filha de Jerome, Nagiko propõe trocar o livro de cabeceira pela série completa dos livros que havia agendado. Aceitando a proposta, o editor torna-se mais e mais obcecado pelos livros, ao mesmo tempo em que sofre uma campanha contra suas atitudes anti-ecológicas, liderada por Hoki. Pressionado, o editor abandona seu negócio e seu único interesse passa a ser aguardar ansiosamente os textos de Nagiko.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s